5 dicas para ter um bom relacionamento com o locatário do imóvel

5 dicas para ter um bom relacionamento com o locatário do imóvel

Quem investe em imóveis sabe o quanto pode ser desgastante uma relação problemática com o inquilino. Divergências quanto a manutenção do imóvel, problemas contratuais e reajustes, por exemplo, geralmente causam situações desagradáveis para as duas partes, tornando a locação insustentável.

Em vista disso, há algumas medidas simples que o proprietário pode tomar para manter uma relação tranquila com o locatário. Confira, a seguir, 5 boas dicas para cultivar a paz com seu inquilino:

1. Fique atento à legislação

Os contratos de locação de imóveis, no Brasil, são regidos pela Lei nº 8245/1991, conhecida como Lei do Inquilinato. Ela aborda praticamente todos os aspectos que podem gerar divergências entre proprietário e inquilino. E essa legislação protege tanto os interesses do locatário quanto os do dono do imóvel.

Por isso, o primeiro passo para evitar conflitos é conhecer e seguir o que a Lei do Inquilinato determina. Não apenas porque é sua obrigação, como dono do imóvel, agir legalmente, mas também porque, dessa forma, não há margem para divergências ou questionamentos.

2. Detalhe tudo no contrato

Identificação do locador e do locatário, descrição do imóvel, garantias de locação, valor do aluguel, data de vencimento, índice de reajuste inflacionário: tudo o que é importante precisa constar no contrato de locação. É esse documento que estipula as obrigações das partes e define como serão resolvidas as dúvidas e os conflitos que possam surgir. Logo, dê atenção ao acordo formal estabelecido entre você e o seu inquilino.

3. Capriche na vistoria

O relatório da vistoria do início do contrato é um dos documentos mais importantes na locação. Ele que regula o cumprimento da norma que obriga o inquilino a devolver o imóvel, no encerramento do aluguel, exatamente como o local foi encontrado. Por isso, vale a pena dedicar uma atenção especial a esse procedimento.

Além de relatar detalhadamente a situação do imóvel, certifique-se de que o locatário compreendeu tudo o que consta no documento. E, obviamente, colha a assinatura dele, pois isso mostra que a pessoa está concordando com o conteúdo detalhado.

4. Cobre o locatário com parcimônia

Se o inquilino atrasou o pagamento, é seu direito, sim, efetuar a cobrança, acrescida das penalizações (multas e juros) definidas no contrato. Mas não é preciso fazer disso uma declaração de guerra. Aborde o locatário com educação, relembre a pessoa sobre o compromisso e solicite uma posição a respeito da regularização do débito.

Exaltar-se ou ser agressivo nessa abordagem não vai ajudar em nada. Lembre-se de que o contrato de locação tem mecanismos para proteger você nesse tipo de situação, como as garantias de locação, por exemplo. Se necessário, utilize-as, mas sempre seguindo os procedimentos legais.

5. Busque a assessoria de uma imobiliária

Contar com o apoio de uma imobiliária para fazer a gestão do aluguel é uma excelente alternativa para quem não quer correr nenhum risco de se incomodar com um inquilino. Muitos proprietários evitam esse tipo de assessoria acreditando que as taxas de administração são gastos desnecessários, mas é possível relativizar esse posicionamento.

Pense no volume de demandas que a locação acarreta, desde a prospecção do inquilino e a confecção do contrato até a devolução do imóvel. Em todas as etapas, você contará com profissionais especializados nessas tarefas. Assim, você verá que a taxa de administração não é uma despesa, mas um investimento na sua tranquilidade.

Seguindo as dicas deste artigo, você reduz bastante as chances de ter problemas com seu locatário e, consequentemente, otimiza o processo de locação do seu imóvel.

Você achou este conteúdo interessante? Então, que tal ajudar seus amigos e outros investidores compartilhando o post nas redes sociais?

Sem comentários

Cancelar